20 de fevereiro de 2014

Facebook compra WhatsApp por 16 bilhões de dólares

O Facebook anunciou ontem a compra do popular aplicativo de mensagens WhatsApp, pela quantia faraônica de 16 bilhões de dólares.

Ao contrário do Google, o Facebook não tem um histórico de acabar com as empresas que compra, e um exemplo disso é o Instagram, que continua firme e forte, e desde que foi comprado, ganhou duas funções novas: o envio de vídeos e de imagens para seguidores escolhidos.

O que mais assustou nesta notícia bombástica de ontem, foi o valor pago pelo mensageiro, que foi maior que aquele que o Google pagou por toda a divisão mobile da Motorola, repleta de patentes importantes na telefonia. O WhatsApp é bem popular hoje, mas não tem nada que impeça que outro concorrente similar o tire do topo no futuro. Parece óbvio que o interesse do Facebook não é exatamente o aplicativo de mensagens e sim os dados dos milhões de usuários do serviço, que agora ficarão à disposição da empresa de Zuckerberg.

Além disso, eles precisavam correr antes que o Whatsapp fosse adquirido antes pelo Google, seu maior concorrente. Em seu perfil no Facebook, Mark Zuckerberg diz que está muito feliz que o serviço de mensagens tenha escolhido o Facebook - já que, afinal, "o WhatsApp tinha todas as opções do mundo". O Google foi uma das empresas que disputaram o serviço nos últimos meses. Para os que achavam que a compra significaria uma mudança do WhatsApp aos padrões do Facebook Messenger, Zuckerberg diz que os dois serviços irão operar de forma independente e complementar.


Abaixo, as palavras do fundador do Facebook, na íntegra.

"Eu estou animado em anunciar que nós, do Facebook, concordamos em adquirir o WhatsApp e que todo o seu time irá trabalhar conosco. Nossa missão é fazer com que o mundo seja mais aberto e conectado. Realizamos isso por meio de serviços que ajudam as pessoas a compartilhar qualquer tipo de conteúdo com qualquer grupo de pessoas que elas queiram. O WhatsApp nos ajudará a fazer isso ao continuar desenvolvendo um serviço que as pessoas de todo o mundo amam usar todos os dias. 

WhatsApp é um simples, rápido e confiável serviço móvel de mensagens que é usado por mais de 450 milhões de pessoas em todas as grandes plataformas móveis. Mais de 1 milhão de pessoas se cadastram diariamente no serviço e ele está a caminho de conectar 1 bilhão delas. Mais e mais pessoas dependem do WhatsApp para se comunicar com seus contatos todos os dias. O WhatsApp irá continuar a operar independentemente dentro do Facebook. O plano de ação do produto não será mudado e o time irá permanecer em Mountain View.

Nos próximos anos, nós vamos trablhar muito para ajudar o WhatsApp a crescer e conectar o mundo todo. Nós também esperamos que o WhatsApp vá se juntar aos nossos esforços forInternet.org, a nossa parceria para fazer com que serviços de internet básicos sejam acessíveis para todos. O WhatsApp vai complementar nossos já existentes serviços de chat e mensagens, fornecendo novas ferramentas para nossa comunidade. O Facebook Messenger é muito usado para conversas com amigos no Facebook, e o WhatsApp para se comunicar com todos os contatos e pequenos grupos. Já que o WhatsApp e o Messenger servem para tão diferentes e importantes usos, nós continuaremos investindo nos dois e fazendo cada um deles ótimos para todos.

O WhatsApp tinha todas as opções do mundo, então eu estou muito feliz que eles escolheram trabalhar conosco. Eu estou ansioso para ver o que o Facebook e o WhatsApp podem fazer juntos, e para desenvolver ótimos serviços móveis novos que deem às pessoas ainda mais opções para se conectar. Eu também conheci Jan [Jan Koum, CEO do WhatsApp] por um bom tempo, e eu sei que nós dois compartilhamos a visão de fazer com que o mundo seja mais aberto e conectado.

Eu estou particularmente feliz que Jan tenha concordado em se juntar ao conselho do Facebook e se juntar à mim para moldar o futuro do Facebook, assim como o do WhatsApp. Jan e o time do WhatsApp têm feito um trabalho incrível para conectar quase meio bilhão de pessoas. Eu mal posso esperar para que eles se juntem ao Facebook e nos ajudem a conectar o resto do mundo."

Depois desse discurso quase altruísta em prol do bem da humanidade, a união de pessoas e a paz mundial, vamos esperar os próximos movimentos e ver o que nos aguarda. O Whatsapp será engolido pelo Facebook Messenger e sumirá do mapa? Ele conectará o Facebook aos usuários que não estão na rede social? Ele continuará pago em sua aquisição?

Só o tempo e o Mark Zuckerberg dirão.


Abaixo, este oriental afetado da AlJazeera nos explica a situação em números.

Nenhum comentário: